Pesquisar

ALANAC - Notícias do Setor

Apenas seis de 24 segmentos industriais aumentaram produção em 2014

04 de Fevereiro de 2015

Por Diogo Martins
 
RIO - Apenas seis dos 24 segmentos da indústria tiveram aumento na produção em 2014, apontou a Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM¬PF), divulgada nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
 
O melhor resultado apurado pelo instituto foi em indústrias extrativas, com crescimento de 5,7% em 2014 na comparação com o ano anterior, seguido por manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos, que cresceu 3,8%.
 
De acordo com o IBGE, os outros quatro setores que tiveram crescimento foram coque, produtos derivados do petróleo e biocombustível (2,4%), produtos farmoquímicos e farmacêuticos (2,1%), perfumaria, sabões e produtos de limpeza (0,9%) e bebidas (0,8%).
 
Por outro lado, os outros 18 ramos da indústria tiveram queda na produção entre 2013 e 2014. 
 
O pior resultado foi observado em veículos automotores, reboques e carrocerias, com queda de 16,8%. Esse é também foi o pior resultado anual do setor desde o início da série histórica da PIM¬PF, cujo primeiro resultado acumulado do ano refere¬se a 2003.
 
Entre 2013 e 2014, o IBGE apurou fortes quedas na fabricação de produtos de metal (-9,8%), móveis (¬7,4%), metalurgia (¬7,4%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-7,2%), produtos têxteis (¬6,4%) e máquinas e equipamentos (¬5,9%). Em média, a indústria brasileira caiu 3,2% em 2014 na comparação com 2013. Foi o desempenho mais baixo desde 2009, quando o setor recuou 7,1%.
 
Na comparação entre dezembro e novembro, com ajuste sazonal, o panorama não foi diferente. 
 
Segundo o IBGE, 17 dos 24 setores tiveram queda nesse período, sendo a maior delas de produtos diversos, com 16,3%.
 
Ainda na série que desconta os efeitos sazonais, a produção têxtil recuou 12%, enquanto a de máquinas e equipamentos caiu 8,2%. O setor de veículos automotores, reboques e carrocerias recuou 5,8%.
 
Somente cinco setores tiveram aumento de produção entre novembro e dezembro, descontando¬se os efeitos sazonais: confecção de artigos do vestuário e acessórios (8,7%), bebidas (2,8%), perfumaria, sabões e produtos de limpeza (2,3%), outros produtos químicos (1,3%) e indústrias extrativas (0,5%). Com o resultado, a indústria nacional caiu 2,8% em dezembro ante novembro, na série livre de influências sazonais.
 
Fonte: Valor Econômico


Associados