Pesquisar

ALANAC - Notícias do Setor

Cientistas revelam, pela 1ª vez, a estrutura do vírus da zika

01 de Abril de 2016

Colaboração para a Folha

‘Retrato’ mostra que ele é quase sósia do vírus da dengue; análise pode levar a estratégias para evitar infecção.

A primeira análise detalhada da estrutura molecular do vírus da zika revelou que ele é praticamente um sósia do vírus da dengue – as com algumas pequenas diferenças que podem ser cruciais para a capacidade que esse vilão microscópico tem de invadir as células humanas.

Os resultados, relatados na revista especializada “Science”, abrem caminho para o design racional de estratégias contra a doença, que ainda é pouco compreendida. Ao determinar exatamente como o vírus vence as defesas do organismo, fica mais fácil projetar moléculas que “fechem a porta” na cara dele. Ou vacinas que preparem as células para enfrentar a invasão.

Michael Rossmann e Richard Kuhn, da Universidade Purdue, nos EUA, construíram seu retrato do vírus da zika a partir de amostras de um paciente que foi infectado na Polinésia Francesa, durante a epidemia de 2013-2014.

A técnica usada é a microscopia crioeletrônica. Nela, os vírus são congelados e bombardeados com elétrons. A maneira como os elétrons ricocheteiam nas partículas virais permite criar um mapa de estrutura do vírus – no caso, com resolução próxima do nível atômico. É quase como se os cientistas conseguissem contar, átomo por átomo, os componentes do zika.

Já se sabia que o genoma do vírus é composto por RNA (molécula “prima” do DNA do genoma humano) e está protegido por uma primeira capa de proteína, o chamado capsídeo. Por cima dele está outra carapaça, o envelope viral, formado por 180 cópias de duas outras moléculas, a glicoproteína E (de “envelope”) e a proteína M (de “membrana”). O conjunto tem a forma de um icosaedro (uma figura de 20 lados).

“Glico” significa açúcar, como a palavra glicose – ou seja, a molécula E é uma proteína à qual foi adicionada uma molécula de açúcar. E esse provavelmente é o ponto crucial do esforço para decifrar a estrutura do ponto onde o açúcar se liga à proteína no envelope do vírus, há diferenças significativas numa lista de dez aminoácidos (os componentes das proteínas) do zika, quando se compara o vírus ao da dengue ou a outros parentes, como o da febre amarela.

Ora, ocorre que, no caso dos demais vírus do grupo, é justamente esse pedacinho da estrutura do envelope que é “oferecido” para as células humanas que vão ser invadidas pelo patógeno – os pesquisadores chegaram a compará-lo a um doce oferecido por um estranho a uma criança. Em contato com essa parte do vírus, a célula “inocente” se liga ao invasor.

“Caso esse local do envelope funcione como a região similar no vírus da dengue e esteja envolvida na conexão com as células humanas, será um bom alvo para um composto antiviral. Talvez seja possível projetar um inibidor que bloqueie essa função, evitando que o vírus infecte células humanos”, disse Rossmann.

 

Fonte: Folha de São Paulo.


Associados