Pesquisar

ALANAC - Notícias do Setor

Remédios da rede pública dentro da validade são achados no lixo, no AP

21 de Março de 2016

Por: Abinoan Santiago

Medicamentos foram encontrados após ação da polícia contra farmácias. Produtos estão dentro da validade e com selo do Ministério da Saúde.

Um contêiner com seis caixas com medicamentos de uso da rede pública de saúde foi encontrado na Rua Barão de Mauá, no bairro Buritizal, na Zona Sul de Macapá.  O descarte dos remédios chamou a atenção de moradores, especialmente porque os produtos estão dentro da validade e com selo de distribuição gratuita pelo Ministério da Saúde.

O lixo encontrado no sábado (19) estava a poucos quarteirões de distância de uma das farmácias onde a Polícia Civil apreendeu no dia anterior, na sexta-feira (18), dezenas de medicamentos de uso exclusivo da rede pública de saúde colocados à venda. A operação foi batizada de "Saúde Zero".

Além da farmácia do bairro Buritizal, em Macapá, a Polícia Civil apreendeu remédios nos bairros Hospitalidade e Igarapé da Fortaleza, em Santana, a 17 quilômetros da capital amapaense. Uma pessoa foi presa na ação.

De acordo com moradores da região onde os remédios foram encontrados em Macapá, os medicamentos teriam sido despejados no lixo na madrugada de sábado. Ninguém suspeita da origem dos produtos.

Além de estarem dentro da validade e serem distribuídos gratuitamente pelo Ministério da Saúde, os remédios continham adesivos de promoção com os preços de R$ 7,99 e  R$ 9,99.

No caso do antibiótico Ampicilina, também encontrado em meio ao lixo, o prazo de validade está para até janeiro de 2017.  A reportagem da Rede Amazônica no Amapá também conseguiu identificar um outro medicamento com no mínimo mais dois anos em condições de uso.

O desperdício de remédios no meio do lixo do bairro Buritizal, a poucos metros do posto de saúde Lélio Silva, revoltou moradores da região.

"É muita falta de responsabilidade com a nossa saúde. Há dois anos perdi o meu irmão para o câncer porque não tinha medicamentos. Tem ainda tantas pessoas sofrendo por falta de medicamentos e acontece isso", lamentou a dona de casa Lidiane Ferreira.

 

Fonte: Globo.com


Associados