Pesquisar

ALANAC - Notícias do Setor

Estudo prova que zika mata célula neuronal

03 de Março de 2016

Por: Herton Escobar

Cientistas brasileiros comprovaram, em experimentos in vitro, que o zika tem capacidade para infectar e matar células neuronais humanas. Os resultados reforçam a suspeita de que o novo vírus, detectado no Brasil no início de 2015, é responsável pelo aumento de casos de microcefalia e outras más-formações congênitas no País.  “Estou cada vez mais convencido disso”, diz o pesquisador Stevens Rehen, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, que coordenou o estudo.

Para testar essa relação, os cientistas infectaram células-tronco neuronais humanas com o zika e compararam o desenvolvimento delas com o de células não infectadas. As células foram cultivadas por métodos especiais, de maneira a formar neuroesferas e organoides cerebrais (popularmente conhecidos como “minicérebros”). São estruturas que mimetizam o desenvolvimento embrionário do cérebro humano. Pode-se dizer que as neuroesferas representam o cérebro de um embrião no seu estágio mais rudimentar, enquanto que os organoides seriam equivalentes a um cérebro de até 2 meses de desenvolvimento.

Anomalias. O s experimentos mostraram que o zika não só é capaz de infectar as células, mas também de levá-las à morte. A capacidade das células-tronco infectadas de formar neuroesferas foi extremamente reduzida; e as poucas neuroesferas que se formavam logo se degradavam em seis dias. No caso dos organoides cerebrais, os infectados cresceram 40% menos do que os controle além de apresentarem anomalias morfológicas.

 

Fonte: O Estado de São Paulo.


Associados