Pesquisar

ALANAC - Notícias do Setor

Previsão de vacina contra zika em um ano é ambiciosa, diz diretor da OMS

13 de Fevereiro de 2016

Por: Marcelo Leite

O diretor de estratégia da OMS (Organização Mundial da Saúde), Christopher Dye, disse nesta sexta (12) considerar "ambiciosa" a previsão de que uma vacina contra o vírus da zika esteja pronta em um ano para iniciar testes clínicos, como chegou a estimar o governo brasileiro.

"Faz-­se uma comparação com [a vacina contra] ebola. Mas já tinham sido desenvolvidos precursores dessa vacina. Por isso foi relativamente rápido."

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, tinha feito, no dia anterior, ao firmar parceria com os EUA, a previsão de realizar os testes em humanos em um ano.

Para Dye, é preciso levar em conta os passos de desenvolvimento de uma vacina, como também alertou na reunião anual da AAAS (Associação Americana para o Avanço da Ciência) Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infeciosas dos EUA.

Meses antes de passar aos testes clínicos, diz Dye, é importante saber se a produção de anticorpos induzida pela candidata à vacina tem efeito protetor.

Outro aspecto importante, diz o diretor da OMS, é definir o que se pretende com a vacina. Uma coisa é obter proteção completa contra a infecção, outra é prevenir seus efeitos colaterais mais graves, como os distúrbios neurológicos (microcefalia e outros).

Microcefalia

"Não irão ocorrer testes [clínicos] em grande escala de vacinas em menos de 18 meses", disse Marie­-Paule Kieny, vice­-diretora da OMS encarregada do departamento de sistemas de saúde e inovação.

A expectativa da organização é que leve ao menos três anos para que todo o processo seja concluído.

A OMS informou que pelo menos 15 empresas e grupos desenvolvem atualmente pesquisas na área.

Kieny disse ainda que a organização acredita cada vez mais na probabilidade da relação entre a zika e os casos de microcefalia e da síndrome de Guillain-­Barré, mas ressaltou que a confirmação científica deve ocorrer dentro de quatro a oito semanas.

"Temos algumas poucas semanas para ter certeza da causalidade, mais a ligação entre zika e síndrome de Guillain­-Barré é altamente provável", disse Marie­-Paule Kieny.

 

Fonte: Folha de São Paulo


Associados