Pesquisar

ALANAC - Notícias do Setor

Divisão de consumo da Hypermarcas cresce 16,2% no 3º trimestre

03 de Novembro de 2015

Por: Daniela Meibak 
 
SÃO PAULO - A divisão de consumo da Hypermarcas cresceu 16,2% no terceiro trimestre de 2015, de acordo com o balanço divulgado na sexta-feira passada. A área avança em meio a um cenário econômico que vem favorecendo a preferência do consumidor brasileiro por produtos com propostas atrativas de valor, diz a companhia.
 
O segmento de consumo inclui o negócio de cosméticos, vendido hoje pela empresa à Coty por R$ 3,8 bilhões.
 
Entre as marcas vendidas, estão Bozzano, Biocolor, Monange, Risqué e Cenoura e Bronze.
 
No balanço, a companhia destaca que mais de 72% dos brasileiros afirmaram ter trocado marcas por alternativas mais baratas nos últimos 12 meses até junho, segundo pesquisa CNI/Ibope. A Hypermarcas vem se beneficiando dessa tendência, em particular em categorias de alto volume no mercado, como desodorantes, linha capilar e fraldas infantis.
 
Diante da expansão da demanda em volume, em conjunto com os aumentos de preços implementados no portfólio de consumo desde abril, a receita líquida da divisão cresceu dois dígitos.
 
Já a divisão farma teve crescimento mais modesto de receita, de 7,1% na mesma base de comparação. A área cresceu com os ganhos nos mercados de genéricos e dermocosméticos.
 
A empresa diz ter ampliado sua cobertura do mercado farmacêutico brasileiro no trimestre, complementando seu portfólio com novos produtos.
 
Lucro
A Hypermarcas teve um salto de 58,3% na sua despesa financeira líquida do terceiro trimestre, o que puxou o seu lucro para baixo no período, apesar do crescimento da receita.
 
A despesa financeira líquida saiu de R$ 98,6 milhões no terceiro trimestre do ano passado para R$ 156,2 milhões neste ano.
 
A empresa afirma que a queda de 36,5% no lucro está relacionada principalmente ao aumento das despesas financeiras diante da marcação a mercado de instrumentos de hedge e do aumento do CDI e do IPCA em relação ao ano anterior.
 
Fonte: Valor Econômico


Associados