Pesquisar

ALANAC - Notícias do Setor

Anvisa recebe premiado com Nobel de Medicina

30 de Outubro de 2015

Dirigentes e servidores da Anvisa receberam, na manhã desta quinta-feira (29), o Prêmio Nobel de Fisiologia/Medicina de 2011, o norte-americano Bruce Beutler. O cientista chegou ao prêmio máximo da Medicina com o estudo “Desconstruindo o Sistema Imunológico Através de Mutagênese Germinativa Aleatória”.
 
A pesquisa está relacionada a reação dos corpos aos micróbios depois dos primeiros minutos de inoculação. O estudo leva ao desenho de novos adjuvantes para afinar a atuação do sistema imunológico humano, ajudando, ainda, a entender a causa das doenças inflamatórias.
 
Numa conversa descontraída com a plateia, mediada pelo responsável de Mídia da Fundação Nobel, Adam Smith, Beutler falou sobre a conquista do prêmio, a vida de pesquisador, relação entre academia e agências reguladoras, entre outros temas.  O médico disse que, tanto os cientistas quanto as agências reguladoras, trabalham pelo melhor para a população, “embora em lados diferentes, perseguimos novas formas de fazer as coisas. As agências procuram maneiras mais eficazes de regular e igualmente devem perseguir maiores níveis de eficiência e qualidade em seu trabalho.”
 
Sobre o status científico do Brasil, ele opinou que o país apresenta vantagens e desvantagens. “Uma vantagem é a diversidade de patógenos, pois é mais fácil estudar a Malária e Chagas, por exemplo, onde ela existe, e isso é uma vantagem. Por outro lado, a escassez de financiamento é desvantajosa”.
 
A campanha contra as vacinações, ocorrida nos Estados Unidos, e o uso de animais em pesquisas também foram abordados pelo pesquisador, ao responder perguntas de técnicos da Agência. Sobre a anti-vacinação, Bruce opinou que o problema surgiu porque há uma lacuna entre o que os cientista conhecem e o que o público sabe. “É necessário educar a população desde criança para que conheça algumas realidades científicas.” Ele ilustrou que o sarampo matou mais de um bilhão de pessoas ao longo da história, sendo evidente, assim, que a vacina contra o sarampo salvou muitas vidas. “Se pararmos de vacinar, muitas pessoas morrerão”.
 
A respeito do uso de animais, o cientista contou que quando jovem, era contrário. No entanto, quando começou a se confrontar com o sofrimento humano, concluiu que às vezes é inevitável a utilização de animais para que alguns processos sejam entendidos.
 
Beutler disse que depois da conquista do Nobel, virou celebridade e que isso é para sempre. Ele estimulou os jovens que estão começando na Ciência a nunca desistirem, a se dedicarem a um único problema, trabalhando em série nele para otimizar os recursos aplicados na pesquisa. Em seu laboratório, Bruce comanda 70 pessoas, as quais mantêm sempre motivadas pela importância do objetivo das pesquisas.
 
O diretor Renato Porto Alencar, que abriu o evento, salientou a relevância de a agência receber tão destacado profissional de Saúde como forma de estímulo ao trabalho dos técnicos da Anvisa. “Procuramos eficiência e manter nossa equipe técnica sempre alinhada aos conhecimentos internacionais é muito importante para isso”, disse o diretor.
 
Antes da palestra, Renato Porto recebeu Beutler e Adam Smith em seu gabinete. Porto e o também diretor Fernando Mendes detalharam a estrutura da Agência e o processo regulatório brasileiro.
 
O cientista veio a Brasília a convite da Anvisa em parceira com o laboratório Astra Zeneca.
 
Fonte: ANVISA


Associados