Pesquisar

ALANAC - Notícias do Setor

Deputado Marcelo Castro, do PMDB, será o novo ministro da Saúde

02 de Outubro de 2015

 
 
 
O deputado federal Marcelo Castro (PMDB-PI), 65, será o novo ministro da Saúde, em substituição a Arthur Chioro, ligado ao PT.
 
Ele teve seu nome levado à presidente Dilma Rousseff pelo líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), e é ligado ao presidente da Casa, Eduardo Cunha (RJ). O anúncio oficial será amanhã, salvo algum novo entrave à reforma ministerial.
 
Ao longo da negociação da reforma, Picciani vem se apresentando como um interlocutor independente do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de quem já foi apadrinhado.
 
Com a piora da condição política do presidente da Câmara, devido ao acúmulo de denúncias que o relacionam a desvios apurados pela Operação Lava Jato, Picciani tem sido tratado como autônomo pelo Planalto –interessado em isolar Cunha, que comanda o rito de um eventual processo de impeachment contra Dilma.
 
Mas, no caso das indicações, Cunha e Picciani jogaram afinados. O objetivo final do Planalto é o mesmo: conter, com o apoio da bancada do PMDB, o avanço do processo de impedimento de Dilma e, se possível, dar seguimento às votações mais difíceis do ajuste fiscal proposto pelo governo.
 
REFORMA POLÍTICA
 
Médico psiquiatra, Castro se notabilizou na atual legislatura por ter seu relatório da reforma política desprezado pela Câmara e classificado como de pouca "inteligência política" por Cunha.
 
Cunha havia indicado o correligionário para relatar o tema, mas não gostou do resultado final. Devido a isso, patrocinou uma manobra para levar o projeto a votação diretamente no plenário, ignorando o texto de Castro e nomeando outro relator, Rodrigo Maia (DEM-RJ).
 
Ao ter o trabalho descartado, Castro trocou críticas públicas com Cunha, mas depois retomou a relação com o presidente da Casa.
 
Deputado federal de quinto mandato, Marcelo Castro foi secretário de Agricultura do Piauí de 1999 a 2001.
 
Fonte: Folha de São Paulo 


Associados