Pesquisar

ALANAC - Notícias do Setor

Gigante americana Walgreens está em negociações com BR Pharma, do BTG

09 de Outubro de 2014

 

Uma das maiores redes de farmácias dos Estados Unidos, Walgreens planeja expansão na América Latina e teria iniciado conversas com a empresa brasileira, sem ainda chegar a acordo sobre preço; concorrente CVS também negocia novos ativos no País
 
A BR Pharma, braço de varejo farmacêutico que pertence ao BTG Pactual, está em conversas com a gigante americana Walgreens, concorrente direta da CVS, de acordo com fontes ouvidas pelo 'Estado'. As negociações ainda não estão avançadas, mas a varejista americana, que em 2012 comprou 45% da inglesa Alliance Boots, quer fincar os pés no mercado brasileiro.
 
Os primeiros contatos teriam ocorrido há dois meses, mas o preço oferecido à BR Pharma não teria sido interessante para a companhia brasileira. "A proposta seria a Walgreens, por meio da Boots, que é braço expansionista da rede americana, comprar uma participação minoritária na BR Pharma, com opção de obter a participação total no futuro", afirmou uma fonte. A Walgreens, no entanto, não teria desistido do negócio. Procurados, o BTG e BR Pharma não comentam o assunto. A Walgreens não respondeu aos pedidos de entrevista.
 
A BR Pharma, terceira maior rede de farmácia do País, está passando por uma profunda reestruturação. Com faturamento de R$ 3,5 bilhões em 2013, a companhia encerrou o ano com prejuízo de R$ 151,3 milhões. No segundo trimestre, fechou com vendas de R$ 953,3 milhões e continuou no vermelho (R$ 143,1 milhões). O endividamento, no período, estava em R$ 546,8 milhões.
 
Fontes afirmaram que a BR Pharma não quer ser vendida "na bacia das almas". Nos últimos meses, a empresa tem passado por mudanças para tentar voltar a dar lucro. O BTG teve de aportar dinheiro na empresa este ano para evitar que a companhia descumprisse as metas de endividamento ("covenants") por dois trimestres consecutivos. A expectativa, segundo uma fonte próxima à companhia, é voltar ao azul em 2015. "Neste momento, nossa preocupação é essa", afirma a mesma fonte, que nega que a companhia esteja prestes a ser vendida, mas não desmente as conversas com a Walgreens.
 
Criada em 2009 para ser uma das maiores redes do País, a Brasil Pharma foi uma das principais consolidadoras desse setor, entre 2010 e 2012, com a compra de oito redes varejistas em diversos mercados regionais, como Norte, Nordeste e Centro-Oeste. A companhia atua hoje com as bandeiras Big Ben, Farmácia Sant'ana, Drogaria Rosário, Mais Econômica e Farmais. "Apesar dos problemas pelos quais a BR Pharma passa atualmente, a rede de lojas, cerca de 1.200, é muito interessante para quem quer entrar no Brasil", disse uma fonte.
 
A Walgreens também estaria conversando com outras redes varejistas do País. Segundo uma fonte de mercado, a rede gaúcha Panvel foi procurada. A companhia nega.
 
Em maio, a Alliance Boots deu o primeiro passo para chegar à América Latina, com a aquisição da Farmacias Ahumada, por cerca de £ 400 milhões. A compra abrange duas empresas principais, no México e no Chile, que em conjunto operam mais de 1.400 lojas. Em entrevista ao Financial Times à época, o presidente executivo da companhia, Stefano Pessina, disse que a empresa estava interessada em outros países da região, como Chile e possivelmente a Colômbia. Além de rede varejistas, interessa ao grupo adquirir atacadistas.
 
Consolidação. O mercado de varejo farmacêutico está em pleno processo de consolidação. Rival da Walgreens, a gigante CVS contratou no início do ano o Pátria Investimentos para negociar aquisições no País. A empresa, que já é dona da rede Onofre, está de olho na rede Drogaria São Paulo-Pacheco. As negociações entre as duas companhias esfriaram nos últimos meses, mas não foram interrompidas, segundo uma fonte ouvida pelo Estado.
 
O Grupo Ultra, dono da rede Extrafarma, e a própria CVS também já conversaram com BR Pharma e outras redes, segundo fontes.
 
Fonte: O Estado de São Paulo


Associados