Pesquisar

ALANAC - Notícias do Setor

Escassez já afeta saúde de venezuelanos

01 de Setembro de 2015

 
Por SAMY ADGHIRNI 
 
Falta de remédios impede tratamentos e leva pacientes de câncer e outros males a peregrinarem sem certeza de alívio
 
Desabastecimento se agrava após anos de sucateamento da indústria local e da queda do petróleo
 
Lutando contra um câncer de mama há um ano e meio, Dania Garcia, 50, precisa tomar diariamente um comprimido de Letrozol 2,5 mg.
 
Há três meses, o remédio sumiu das prateleiras de Guarico, Estado no centro-norte da Venezuela onde a vendedora mora. Para tentar consegui-lo, ela precisa viajar cinco horas de ônibus e procurá-lo em Caracas.
 
Na rede pública, Dania buscou o remédio por semanas. Depois achou uma caixa em uma loja privada, a 2.500 bolívares, um terço do salário mínimo que recebe.
 
Na última sexta (28), ela finalmente conseguiu 30 comprimidos de Letrozol numa farmácia estatal a custo zero. Mas sua viagem e a da irmã que a acompanhou consumiram todo seu salário.
 
"Em um mês terei de fazer tudo isso de novo", diz.
 
A falta de remédios é uma das facetas mais dramáticas do desabastecimento na Venezuela. Segundo a Federação Farmacêutica Venezuelana (Fefarven), a escassez atinge sete de cada dez medicamentos vendidos no país.
 
"De cremes para queimadura a remédios para o sistema nervoso, passando por tratamentos cardiológicos e anticoagulantes, quase tudo falta", diz Freddy Ceballos, presidente da Fefarven.
 
Um dos casos mais urgentes é o dos anticoncepcionais. Ceballos prevê aumento na taxa de gravidez adolescente num país que já é recordista sul-americano nesse índice.
 
Em julho, um pico de escassez de Prednisona e Cellcept, drogas que impedem o organismo de rejeitar órgãos transplantados, levou venezuelanos a recorrerem a remédios para cachorros e gatos. Os remédios reaparecem, mas sem a garantia de que o abastecimento se normalize.
 
"Pacientes transplantados dependem de um coquetel de remédios que só faz efeito se todos forem tomados com regularidade. O problema é que quando um remédio ressurge, outro some", diz Francisco Valencia, ativista pelos direitos dos transplantados.
 
HOSPITAIS
 
A saúde pública também é afetada pela escassez de peças de reposição em equipamentos hospitalares.
 
Médicos ouvidos pela Folha dizem ser difícil mesurar o total de mortes causadas pela falta de drogas e insumos. Mas todos concordam que a medicação irregular reduz a chance de sobreviver.
 
"A escassez me obriga a mudar a medicações. Mas há remédios insubstituíveis", diz o oncologista Paulo Pereira. Segundo ele, o paciente perde tanto tempo buscando remédios que um tratamento de seis meses dura oito.
 
Um conhecido cientista político, que pediu para não ser identificado, passou três semanas à procura de remédios para seu pai, que tem câncer.
 
"Nem com todo o dinheiro possível consegui comprar. Só achei graças a uma campanha em redes sociais", diz.
 
A situação só não é pior, dizem médicos e pacientes, por causa do apoio de empresas privadas, fundações e doações individuais.
 
A escassez de remédios e outros produtos, sobretudo alimentos e artigos de higiene, é causada por vários fatores. Um deles é a fraca produção industrial num país acostumado a importar quase tudo que consome.
 
Na última década, o aparato industrial ficou ainda menor depois que o governo de esquerda implementou políticas como controle de preços e de câmbio e expropriações, inibindo a já parca produção.
 
A situação piorou em 2014, quando o preço do petróleo, sustentáculo da economia local, desabou. Com menos dólares em caixa, a Venezuela não consegue atender sua necessidade de importação.
 
Para a federação farmacêutica, o quadro só mudará quando o governo parar de enviar petróleo subsidiado a países aliados e privilegiar o desenvolvimento da indústria local. "O governo recentemente importou um lote de remédios cubanos. Como confiar num produto em que a etiqueta diz 'proteger da luz', mas está em frasco transparente?", indaga Ceballos.
 
O governo não responde aos contatos da Folha. À agência de notícias Reuters, o presidente do Instituto Venezuelano de Seguros Sociais, Carlos Rotondaro, negou a escassez de remédios, mas admitiu "falhas pontuais" no abastecimento.
 
Médicos preveem que o fechamento do principal posto de fronteira com a Colômbia agrave o problema.
 
Fonte: Folha de São Paulo


Associados