Pesquisar

ALANAC - Notícias do Setor

Farmácia alemã

26 de Agosto de 2015

 
 
 
A cooperação entre Brasil e Alemanha no setor de fármacos só deve beneficiar a Bayer quando novos remédios para tratamento de câncer ficarem prontos, diz o presidente da empresa no Brasil, Theo van der Loo.
 
Um acordo firmado na quinta-feira (20) em Brasília, durante visita da comitiva de Angela Merkel, pode facilitar o acesso de empresas de capital alemão ao sistema público de saúde.
 
Mas os alemães precisarão repassar tecnologia a laboratórios brasileiros. Como os medicamentos já terão sido submetidos a testes na Alemanha, a produção no Brasil não precisará dessa etapa, que tem custo elevado, segundo o executivo.
 
"O mercado do SUS é importante, mas hoje não dependemos tanto dele. Nossos produtos em desenvolvimento precisarão mais [de compras governamentais] porque eles tratam doenças bastante específicas."
 
Outra alemã, a Merck, espera que o acordo dê oportunidade para fechar contratos para venda de remédios biológicos específicos, como o de câncer retal, diz Guilherme Maradei, presidente da empresa no Brasil.
 
€ 42,2 bilhões
foi o faturamento global da Bayer em 2014 (R$ 167 bilhões)
 
€ 11,1 bilhões
foi quanto a Merck faturou no ano passado (R$ 44 bilhões)
 
Fonte: Folha de São Paulo


Associados