Pesquisar

ALANAC - Notícias ALANAC

Carne e etanol ficam fora da discuss√£o UE-Mercosul

12 de Maio de 2016

Por: Jamil Chade

Esse é o primeiro intercâmbio de ofertas desde 2004, e um passo necessário para fazer avançar o processo de negociação, indicaram as duas partes em um comunicado conjunto

A União Europeia (UE) e o Mercosul trocaram ofertas tarifárias ontem para negociar um acordo de livre-­comércio, do qual foram excluídos alguns produtos sensíveis para o bloco europeu. “Intercâmbio de ofertas hoje entre a UE e o Mercosul. Primeiro passo para retomar nossas negociações comerciais. Importante economicamente, politicamente e culturalmente”, escreveu em um tuíte a comissária europeia de Comércio, Cecilia Malmstrom.

A comissária europeia de Comércio, Cecilia Malmstrom, afirma que as negociações comerciais são importantes economicamente, politicamente e culturalmente

Esse é o primeiro intercâmbio de ofertas desde 2004, e um passo necessário para fazer avançar o processo de negociação, indicaram as duas partes em um comunicado conjunto.

A UE e o Mercosul “analisarão as ofertas” e voltarão a se reunir antes do verão (no Hemisfério Norte), acrescentou.

“Como era de se esperar, ninguém ficou completamente satisfeito”, informou à France Presse uma fonte do Mercosul. A carne bovina e o etanol, dois produtos “ofensivos” para a oferta do bloco sul-­americano, ficaram de fora da oferta da UE, que não ofereceu cotas, as quais serão definidas “no futuro”, disse a fonte.

Essa troca foi proposta em várias ocasiões desde 2014 e nas últimas semanas houve dúvidas pelas reticências de vários países da UE a incluir os “produtos sensíveis” agrícolas na oferta, em meio à crise do setor.

“As duas partes mantêm total compromisso nessa negociação, com as perspectiva de importantes benefícios econômicos e políticos (...) de um acordo ambicioso e equilibrado”, cita o comunicado.

As negociações para um tratado de livre-­comércio entre UE e Mercosul foram retomadas em 2010, depois que a troca de ofertas feita seis anos antes não permitiu avanço nas negociações.

A comissária deixou claro que vai pedir que no tratado final seja incluído um “capítulo ou uma sessão anticorrupção”. /COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

 

Fonte: O Estado de São Paulo


Associados